logo

A SEGUIR

"A Hora da Misericórdia"

15:00:00 - 15:30:00

"Show da Tarde"

15:30:00 - 17:00:00

Em nova fase da Lava Jato filho do ex-ministro Edison Lobão é preso pela Polícia Federal

A Polícia Federal, em cooperação com o Ministério Público Federal e com a Receita Federal, deflagrou, na manhã desta terça-feira a fase de número 65 da Operação Lava Jato, que recebeu o nome de Galeria.
Esta fase da força-tarefa mira um esquema de corrupção e de lavagem de dinheiro relacionados à Transpetro, subsidiária da Petrobras, e à Usina Hidroelétrica de Belo Monte no Pará. As investigações apontam que só entre 2008 e 2014, o ex-ministro Edison Lobão e o filho Márcio Lobão solicitaram e receberam propinas dos Grupos Estre e Odebrecht no valor de 50 milhões de reais. Evidências dão conta de que os atos de lavagem se estendem até 2019.
Além dos crimes de corrupção relativos à participação da Odebrecht no contrato de construção da Usina de Belo Monte, a operação investiga benefícios em mais de 40 contratos com empresas.
Márcio Lobão será conduzido para a Superintendência Regional de Polícia Federal em Curitiba.

 

A China habilitou 25 novos frigoríficos brasileiros para exportação de carnes bovina, suína e de frango. Com isso, o Brasil, que antes tinha 64 plantas habilitadas a exportar para o país asiático, passa a ter 89. Destes 25, quatro tem sede no Paraná:  em Mandaguari, São João, Paraíso do Norte e Rolândia. Todos trabalham com a produção de carne de frango no estado.
O Ministério da Agricultura brasileiro recebeu nesta segunda-feira, a comunicação oficial da Administração Geral da Aduana da China sobre as habilitações. De acordo com a pasta, as plantas já estão autorizadas a embarcar.

 

A Receita Estadual do Paraná notificou 155 pessoas físicas e jurídicas para prestar esclarecimentos sobre transporte irregular e venda de etanol sem documentação fiscal em várias regiões do estado. Foram lavrados 85 autos de infração, relativos a mais de 16 milhões de litros de etanol hidratado comercializados de forma irregular. As autuações somam, entre imposto, juros e multa, cerca de 18 milhões e 400 mil reais e atingem transportadoras e proprietários dos veículos subcontratados para o transporte.

Topo