logo

A SEGUIR

"Alma da Terra"

10:00:00 - 11:50:00

"A Voz da Esperança"

11:50:00 - 12:00:00

Semana Maior

O centro de todo o ano litúrgico é a Semana Santa que inicia em Betfagé, com a entrada de Jesus em Jerusalém para realizar o seu mistério pascal, ou seja, contemplamos nesta entrada a entrega de Jesus, o servo sofredor, como sinal de sua fidelidade e obediência a Deus. A celebração do Domingo de Ramos é a porta de entrada para a celebração da Semana Santa ou também denominada “Semana Maior”.

São Lucas narra que quando Jesus chegou perto da descida do monte das Oliveiras, a multidão dos discípulos, aos gritos e cheia de alegria, começou a louvar a Deus por todos os milagres que tinha visto. Todos gritavam: “Bendito o Rei, que vem em nome do Senhor! Paz no céu e glória nas alturas” (cf. Lc 19,37-39). Na entrada festiva aclamando Jesus como Rei do universo percebemos algo de alegria que será plena no Domingo de Páscoa.

Depois seguimo-lo até Betânia, onde morava Lázaro que Jesus havia ressuscitado, e assistimos à unção com perfume de nardo, profecia da Sua Paixão, Morte e Ressurreição. No Cenáculo, sala superior, lugar da ceia, Ele oferece-se a si mesmo por nós, no pão e no vinho, e  lava pés, ensinando-nos o humilde serviço como mandamento novo do amor aos irmãos e irmãs: “Dei-vos o exemplo, para que façais a mesma coisa que eu fiz”.

Vivemos no Getsêmani, a sua prisão e seguimo-Lo, à distância, com toda a nossa fragilidade, como Pedro que o renega: “Não o conheço! Nunca estive com Ele! Não o sigo!” sob a cruz, com Maria e o discípulo amado presenciamos a sua morte e contemplamos o seu lado rasgado. Finalmente, deposto do sepulcro, junto do qual na manhã de Páscoa chegou Maria Madalena, a primeira discípula da ressurreição, ressuscita, e com a sua luz acaricia os nossos olhos e os nossos corações, convidando-nos a olhar para dentro da história do mundo e para a história pessoal de cada um de nós. Estes são os conteúdos principais que vivenciáramos com profundidade nesta Semana Especial à fé cristã.

Todos nós somos capazes de colocar os mantos de nossas vidas no caminho por onde Jesus vai passar? Aclamamo-lo como nosso Rei, Redentor, Senhor, Salvador, cantamos-lhe “Hosanas” expressando nossa alegria e disponibilidade para todos os momentos... porém, devemos estar consciente que o seguimento, a adesão à pessoas de Jesus e seu Evangelho, todavia, está marcada pela cruz, pela rejeição, paixão e morte. Não há discipulado sem a cruz. A Semana Santa vem para nos ajudar a mergulharmos profundamente na vida de Jesus Cristo, exemplo de humildade e entrega pela sua paixão e assim ele nos prepara para a glória da Páscoa. Este é o conteúdo fundamental desta Semana Maior. Vamos vivê-la intensamente.

Coleta Nacional da Solidariedade 2019

A Campanha da Fraternidade se expressa concretamente pela oferta de doações em dinheiro na coleta da solidariedade, que realizaremos no Domingo de Ramos, dia 14 de abril de 2019. É um gesto concreto de fraternidade, partilha e solidariedade, feito em âmbito nacional, em todas as comunidades cristãs, paróquias e dioceses. Portanto, que a nossa Diocese de Palmas/Fco. Beltrão não pode se eximir deste gesto solidário. Lembro aos leitores que a Coleta da Solidariedade é parte integrante da Campanha da Fraternidade. O gesto fraterno da oferta tem um caráter de conversão quaresmal, condição para que advenha um novo tempo marcado pelo amor e pela valorização da vida. Empenhemo-nos, todavia, em comunhão com toda a Igreja do Brasil. Do total arrecado pela Coleta da Solidariedade, a Diocese deve enviar 40% ao Fundo Nacional de Solidariedade (FNS), gerido pela CNBB. A outra parte (60%) permanece na Diocese para atender projetos sociais desta Igreja Local.

Que a graça de Deus nos ajude, nesta Semana Santa que vamos celebrar, transformando-nos à imagem de Jesus, o servo obediente, que entra em Jerusalém e com Ele revivendo os mistérios da nossa salvação. Caminhemos, pois, com Jesus!

Topo