Ao vivo

com

até as

a seguir:

Encontro de Gerações

com

06:00 até as 07:00

Notícias

"VICENTE PALLOTTI - O APÓSTOLO DE ROMA."

11/01/18 15:01

- 2ª Parte

"A grandeza de uma pessoa reside na intensidade com que, durante a vida inteira, procura Deus"!

Cedo, VICENTE PALLOTTI sentiu-se cativado pela vida exemplar dos santos. Os seus santos preferidos eram Francisco de Assis - o santo do Cântico do sol e futuro patrono do meio ambiente, e Felipe Neri - o santo alegre, brincalhão e sempre risonho. Pallotti descobriu que os santos são homens de carne e osso; não são produtos em série de uma linha de montagem da perfeição:
"O santo é um espaço em que os outros crescem e podem encontrar material para a construção de si mesmos"!
Deus serve-se dos santos como um instrumento. O santo não procura dirigir-se a si mesmo, mas, com alegria e humildade, deixa-se dirigir por Deus.
"Os santos são pessoas escolhidas por Deus, e a sua missão é única e, ao mesmo tempo, eles se convertem em guias para todos os homens; não se pertencem mais a si mesmo. Deus torna-Os bem de todos!"
A santidade não consiste em não cometer nenhuma falta, mas, em consagrar-se totalmente ao serviço do Bem.
No turbilhão dos seus pensamentos e sentimentos, na embriaguez dos seus sonhos e ideais, Pallotti escreveu:- "Peço a Deus que faça de mim um trabalhador incansável!"
Escolheu como Programa no seu incontido entusiasmo apostólico:

- "Eu desejaria ser pão, para os famintos;
eu desejaria ser bebida, para saciar os sedentos;
eu desejaria ser alimento, para fortalecer o estômago dos fracos;
eu desejaria ser leito macio, a fim de deixar repousar os abatidos;
eu desejaria ser remédio, a fim de sanar os males dos enfermos,
dos deficientes físicos, dos surdos e mudos . . . ;
eu desejaria ser luz, a fim de iluminar os cegos de corpo e de espírito;
eu desejaria ser vida, a fim de despertar todas as criaturas mortas para a vida da graça ou para a vida do corpo . . .
Ah meu Deus, meu Deus! Faça-se em mim e em todos e sempre tudo segundo a Tua santíssima vontade."
VICENTE PALLOTTI precisa de nós, hoje!

Foi através de outros que os seus pais vieram a saber que Vicente havia alcançado o duplo título de doutor em Filosofia e Teologia. Durante dez anos ele exerceu o cargo de Reitor em Teologia Dogmática na Universidade Romana Sapienza. A sua vida era Teologia Encarnada e digna de fé. Como Diretor Espiritual no Seminário de Roma sua dedicação era deveras muito cordial aos seminaristas, e, obteve assim, ótimos resultados.
Em 1835, tornou-se Reitor da Igreja Nacional dos napolitanos, na Vila Giulia.
Dois anos mais tarde, uma violenta epidemia de cólera invadiu Roma. Pallotti e seus companheiros visitavam os doentes e recolhiam os abandonados. Eram incansáveis, estavam sempre nas ruas, ajudando onde era necessário. Organizou um programa de ajuda, onde distribuía vales para pão, limões, carne e remédios, os quais eram aceitos em algumas casas comerciais.
O pânico levou muita gente aos confessionários e à prática da caridade. Passada a epidemia, o seu nome corria na boca agradecida de todos e sua fama de apóstolo e de homem de Deus espalhava-se de boca em boca.
Pallotti e seus companheiros trabalhavam em várias escolas em favor das crianças abandonadas. Fundou casas para ajudar meninas sem teto e sem instrução. Abriu um Orfanato, empreendimento exemplar naquela época. Foi nesta casa que, mais tarde, nasceu a Comunidade das Irmãs do Apostolado Católico, hoje conhecidas simplesmente como Irmãs Palotinas. O Santo também visitava as prisões e, sem poupar a si mesmo, animava e encorajava a todos.
O Santo Pallotti confessa ao seu Deus de Amor:-
"Quero estar sempre nos hospitais e nas cadeias.
Quero estar, também, ao mesmo tempo em todos os recantos da terra para socorrer a miséria dos pobres e suavizar o sofrimento dos enfermos.
Quero realizar infinitas coisas para Deus."!

Escreveu livros de orações e confeccionou textos de meditação. Da celebração comunitária do mês de maio - mês de Maria, surgiram conferências semanais para os padres. Nelas, além da oração e da meditação, insistia-se no aprofundamento da formação teológica e na atualização e renovação da ação pastoral.
"A fonte VICENTE PALLOTTI brotava sem cessar e vivificava até as pedras das ruas."! Um lugar de solidão e recolhimento na sua vida foi Camáldoli - Mosteiro situado nos montes Albanos - aí experimentava mais clara e sensivelmente a presença de Deus.
Cheio de admiração à fulgurante manifestação de Deus na obra da Criação, escreveu:
" - Deus deu-nos a luz, para que procuremos a Luz que não termina.
- Deus deu-nos o repouso da noite, para que nos preparemos para a Paz do céu.
- Deus deu-nos a vibração alegre do canto, para que aprendamos a amar a Alegria Eterna, na Comunhão dos Santos.
- Deus deu-nos a variedade do gosto, para entusiasmar-nos pelas Alegrias Verdadeiras e Eternas.
- Deus deu-nos a riqueza das pedras preciosas e das pérolas, para que captemos a Sua Majestade."!

Padre Mario Cesar do Amaral, SAC



› Voltar

› Veja todas as noticias

PARCEIROS

PREVISÃO DO TEMPO

PROGRAMAÇÃO DO DIA

  • › 06:00 às 07:00 - Encontro de Gerações
  • › 07:00 às 08:30 - Ricordi d´Itália
  • › 08:30 às 09:30 - Santa Missa da Matriz São Roque
  • › 09:30 às 12:00 - Pallotti no Interior
  • › 12:00 às 13:00 - Rádio Saudade
  • › 13:00 às 14:30 - Mistura Brasileira
  • › 14:30 às 15:30 - Músical Especial
  • › 15:30 às 18:30 - Transmissão de Futebol
  • › 18:00 às 18:05 - Oração da Manhã
  • › 18:30 às 20:30 - Cultivando a Tradição
  • › 20:30 às 22:00 - Retratos e Canções
  • › Veja toda a nossa programação