Ao vivo

Manhã Viva

com Valdenir Lima da Silva

05:00 até as 07:30

a seguir:

Sindicato Rural

07:00 até as 07:30

Notícias

SEM UM NOVO PACTO FEDERATIVO, AS REFORMAS TERÃO POUCA EFICÁCIA.

10/05/18 18:05

O debate sobre a necessidade de o Brasil promover reformas profundas e urgentes em vários setores ocupa, há anos, espaço considerável na agenda da mídia e do Congresso Nacional. Natural que seja assim. É óbvio que, sem mudanças profundas na legislação política, previdenciária, trabalhista e tributária, o País jamais atingirá o patamar elevado de desenvolvimento socioeconômico que deseja.
O problema é que este debate ocorre sem considerar uma das reformas mais importantes, sem a qual as demais - por melhores que sejam - não terão a mesma eficácia. Refiro-me à revisão do pacto federativo, ou seja, à reforma urgente do modelo de distribuição de receita entre os três entes federados - a União, os Estados e os Municípios.
A revisão do pacto federativo é premente porque, mesmo sendo o ente federado que mais acumula atribuições (estabelecidas sobretudo após a Constituição Federal de 1988), os Municípios são a unidade federativa que menos recebe recursos provenientes de impostos e de contribuições. Enquanto a União recebe polpudos 58%, os Estados ficam com 23% e os Municípios, com apenas 19%.
Não bastasse isto, as despesas dos municípios aumentam a cada dia - e sobem nas áreas mais dispendiosas e importantes. A saúde, por exemplo. De acordo com o procurador da República Edilson Vitorelli Diniz Lima, a União respondia (em 1993) por 73% dos gastos públicos em saúde no Brasil. No ano passado, este percentual caiu para algo em torno de 40%. Em bom Português, isso significa que a participação dos Municípios (e também dos Estados) nas despesas da saúde aumentou consideravelmente.
Estes dados ajudam a população a entender porque as 5,5 mil prefeituras brasileiras, mesmo com todos os seus esforços, não conseguem dar conta de prestar o atendimento desejado pela população. No universo das finanças públicas, não há milagres: ou os gestores municipais recebem receitas suficientes para dar conta das despesas, ou não serão capazes de atender à crescente demanda da população.
Para agravar este cenário, as prefeituras não recebem receitas provenientes das contribuições. E mais: por causa dos abusivos incentivos fiscais que concedeu a setores privilegiados da economia, como o automotivo, a União renunciou R$ 1 para cada R$ 5 arrecadados em 2017. Isto equivale, em termos nominais, à fortuna de R$ 270,4 bilhões. Dinheiro que, se tivesse sido arrecadado e bem distribuído, poderia salvar milhares de vidas nos municípios.
Estes e outros temas serão objeto da XXI Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios, que será promovida de 21 a 24 de maio. É urgente que não apenas os prefeitos, mas toda a sociedade, acompanhem os debates que serão promovidos no encontro. Até porque um dos destaques da XXI Marcha será a presença dos pré-candidatos a presidente da República, que estarão juntos em Brasília para ouvir as reivindicações dos prefeitos - entre elas, a revisão do pacto federativo.
Nosso convite é no sentido de que a sociedade brasileira se some aos prefeitos brasileiros nesta luta por uma distribuição mais justa de recursos. Não é hora de satanizar a classe política, no âmbito dos municípios. O momento grave enfrentado pelas prefeituras brasileiras exige união de esforços, em torno de um bem maior: a qualidade de vida da população brasileira que trabalha duro e paga seus impostos em dia. Juntos, sempre, seremos mais fortes.
*Frank Ariel Schiavini é presidente da AMP (Associação dos Municípios do Paraná) e prefeito de Coronel Vivida.
Fonte PMCV
Por Valdenir Lima




› Voltar

› Veja todas as noticias

PARCEIROS

PREVISÃO DO TEMPO

PROGRAMAÇÃO DO DIA

  • › 05:00 às 06:00 - Manhã Viva
  • › 05:00 às 07:30 - Manhã Viva
  • › 06:00 às 06:05 - Oração da Manhã
  • › 06:05 às 07:00 - Manhã Viva
  • › 07:00 às 07:30 - Sindicato Rural
  • › 07:30 às 10:00 - Momento Novo
  • › 10:00 às 11:00 - Experiência de Deus
  • › 11:00 às 11:30 - Câmara de Vereadores
  • › 11:30 às 12:00 - Sindicato dos Trabalhadores Rurais
  • › 12:00 às 12:30 - Destaques Esportivos
  • › 12:30 às 14:00 - Viola e Canção
  • › 14:00 às 14:30 - Jesus Te Ama
  • › 14:30 às 15:30 - Universo Sertanejo
  • › 15:30 às 17:00 - Super Paradão Sertanejo
  • › 17:00 às 19:00 - Querência Gaúcha
  • › 19:00 às 21:00 - A Noite é Nossa
  • › 21:00 às 22:00 - Oração do Santo Terço
  • › Veja toda a nossa programação