Ao vivo

A Hora da Misericórdia

com Pe. Reginaldo Manzotti

15:00 até as 15:30

a seguir:

Show da Tarde

com Bibiane Kichel

15:30 até as 17:00

Notícias

Como a abstenção às urnas, rejeição e voto útil podem influenciar o rumo das eleições?

03/10/18 08:10

Faltando menos de uma semana para que 140 milhões de brasileiros escolham seu próximo presidente em um pleito fragmentado e polarizado, ainda há alguns fatores que podem influenciar a decisão final do eleitor, segundo analistas.

A BBC News Brasil reuniu dados das mais recentes pesquisas e ouviu especialistas para entender quais seriam estes elementos.

1 – Preferência ou ‘voto útil’?
A pesquisa do Ibope de 26 de setembro questionou os entrevistados a respeito do chamado “voto útil” – a possibilidade de o eleitor deixar de votar no candidato de sua preferência para votar em outro que considere mais competitivo contra um terceiro.

E 28% dos entrevistados naquela ocasião afirmaram que essa probabilidade era alta ou muito alta.

Essa porcentagem é semelhante às intenções de voto do líder da pesquisa, Jair Bolsonaro (PSL), e supera a do segundo colocado, Fernando Haddad (PT).

2 – Os mais rejeitados?
O alto índice de rejeição dos candidatos mais bem colocados nas pesquisas de intenção de votos é a principal força por trás do eventual voto útil discutido acima. Segundo pesquisa Datafolha divulgada nesta terça-feira, 2 de outubro, 45% dos eleitores dizem que não votariam em Bolsonaro de jeito nenhum. Para Fernando Haddad, esse índice é de 41%.

Juntos, os dois candidatos têm cerca da metade das intenções de voto dos brasileiros – só em 1989 os dois primeiros colocados tiveram tão pouco, tão perto da data das eleições.

3. Quem levará o voto das mulheres?
As menções às mulheres feitas pelos candidatos durante os debates de TV dão pistas de quão cobiçado é o voto feminino nesta reta final, por dois motivos principais: o primeiro é que elas compõem 52% do eleitorado do total; o segundo é que o candidato mais bem colocado, Jair Bolsonaro, é também o que tem o maior índice de rejeição feminina – 52%, segundo o Datafolha.

Um exemplo dessa reprovação foi dado pelos protestos de sábado, na campanha #EleNão, organizados por mulheres em diversas cidades do país.

4. Abstenções, brancos e nulos
O percentual de eleitores que dizem pretender votar nulo, branco ou se abster caiu para 8% (tendo chegado a 22%), segundo o Datafolha, mas esse grupo ainda pode ter um papel muito relevante no pleito.

Para Lucio Rennó, professor-associado do Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília, as pesquisas de intenção de voto muitas vezes não captam plenamente o impacto das abstenções e dos votos nulos e brancos porque nem sempre as pessoas admitem, durante a entrevista, a intenção de não comparecer às urnas.

5. O imponderável
Para Carlos Melo, do Insper, um último fator não pode ser descartado como potencial influenciador do voto na última hora: o imprevisível.

“Alguma denúncia nova, alguma delação premiada ou algum escândalo pode ter um efeito importante quando temos uma eleição acirrada – se você muda 10 pontos percentuais de um candidato para outro já vira um aumento de 20 pontos”, diz.


Por: João Luiz Garcia (Tiguera)
Fonte: BBC/Brasil
Foto: Reprodução



› Voltar

› Veja todas as noticias

PARCEIROS

PREVISÃO DO TEMPO

PROGRAMAÇÃO DO DIA

  • › 06:00 às 06:05 - Oração da Manhã
  • › 07:00 às 07:30 - RVP Notícias 1a Edição
  • › 07:30 às 10:00 - Bom Dia Cidade
  • › 10:00 às 11:50 - Alma da Terra
  • › 11:50 às 12:00 - A Voz da Esperança
  • › 12:00 às 12:05 - Pref. Munic. Coronel Vivida
  • › 12:05 às 12:30 - RVP Notícias 2a Edição
  • › 12:30 às 13:00 - Destaques Esportivos
  • › 13:00 às 15:00 - Sementes da Nossa Terra
  • › 15:00 às 15:30 - A Hora da Misericórdia
  • › 15:30 às 17:00 - Show da Tarde
  • › 17:00 às 19:00 - Entardecer Musical
  • › 19:00 às 20:00 - A Voz do Brasil
  • › 20:00 às 22:00 - Amigos pela Fé
  • › 22:00 às 23:00 - Experiência de Deus
  • › Veja toda a nossa programação