Ao vivo

com

até as

a seguir:

Encontro de Gerações

com

06:00 até as 07:00

Notícias

PRODUTORES DO SUDOESTE TÊM DIFICULDADE PARA COMERCIALIZAR A SAFRA DE FEIJÃO

01/02/17 08:02

O Paraná deverá colher 350 mil toneladas de feijão na primeira safra do ano, volume 19% maior que o colhido no ano passado. O aumento na área destinada à cultura e o clima favorável são os principais responsáveis pela evolução. No entanto, os bons números não têm se refletido no bolso dos produtores.

Segundo o Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria de Estado da Agricultura, cerca de 75% da primeira safra de feijão já foi colhida. Mas, até agora, apenas 37% dessa produção foi vendida, por causa do preço. Um exemplo é o produtor Eucir Brocco, de Pato Branco, Sudoeste do Estado. Ele destinou 50 hectares de sua propriedade para a produção de feijão carioca na primeira safra. Em uma área, por conta de um período de estiagem, ele colheu 18 sacas por hectare. Em outra parte conseguiu colher 35 sacas/há. Ele finalizou a colheita na metade de janeiro, mas só conseguiu vender a produção há poucos dias. nos últimos dias. Segundo ele, na região pato-branquense poucos agricultores conseguiram comercializar o feijão. A maioria está deixando estocado.

Entretanto, é preciso atenção. O feijão não pode ficar armazenado mais do que dois ou três meses porque rapidamente muda a coloração e aumenta seu tempo de cozimento. Por isso, o agricultor pato-branquense comemora o preço que conseguiu para a sua produção, de R$ 120,00 por saca de feijão carioca, cerca de 30% menos que o preço médio em janeiro de 2016. De acordo com o Deral, no ano passado o produtor estava recebendo R$ 171,00 por saca. Se considerar o final de 2016, a diferença é ainda maior, uma vez que os preços chegaram perto dos R$ 200,00 a saca do feijão carioca.

E se a situação já não é das melhores, a segunda safra promete derrubar ainda mais os preços. O Deral estima que o Paraná deve chegar ao final dessa temporada com mais de 405 mil toneladas de feijão colhidas, produção 36% maior que a do ano passado. Para técnicos e agricultores, entre fevereiro e abril há uma redução na oferta, o que pode melhorar um pouco os preços.

Por: Guilherme Zimermann
Fonte: Gazeta do Povo





› Voltar

› Veja todas as noticias

PARCEIROS

PREVISÃO DO TEMPO

PROGRAMAÇÃO DO DIA

  • › 06:00 às 07:00 - Encontro de Gerações
  • › 07:00 às 08:30 - Ricordi d´Itália
  • › 08:30 às 09:30 - Santa Missa da Matriz São Roque
  • › 09:30 às 12:00 - Pallotti no Interior
  • › 12:00 às 13:00 - Rádio Saudade
  • › 13:00 às 14:30 - Mistura Brasileira
  • › 14:30 às 15:30 - Músical Especial
  • › 15:30 às 18:30 - Transmissão de Futebol
  • › 18:00 às 18:05 - Oração da Manhã
  • › 18:30 às 20:30 - Cultivando a Tradição
  • › 20:30 às 22:00 - Retratos e Canções
  • › Veja toda a nossa programação