logo

A SEGUIR

"A Voz da Esperança"

11:50:00 - 12:00:00

"Prefeitura Municipal de Coronel Vivida"

12:00:00 - 12:05:00

Procuradoria será amparo aos municípios em combate a violência contra mulher

Instalado através da Assembleia Legislativa do Paraná (ALEP) no dia (02) de julho, a Procuradoria da Mulher. A deputada estadual Cristina Silvestri (PPS), foi conduzida ao cargo como a primeira Procuradora da Mulher do Legislativo Paranaense.

A Procuradoria da Mulher vai zelar pela defesa dos diretos das mulheres, além de incentivar a participação das parlamentares nos trabalhos legislativos da ALEP. Mais que receber denúncias, ela poderá fiscalizar todas as políticas públicas executadas em no estado, e compor uma rede de proteção entre vários órgãos.

No dia (25) do mês de junho, o Governador Ratinho Junior (PSD), já havia sancionado a lei que tornou a data de morte da advogada Tatiane Spitzner, (22) de julho, em Guarapuava, Sul do Paraná, em Dia de Combate ao Feminicídio no estado. Lei essa que seu deu através do projeto de autoria de Cristina Silvestri.

Em entrevista ao Jornalismo da Rádio Club FM, a deputada disse que enfrenta o desafio de ser procuradora da Mulher da ALEP com honra, responsabilidade e comprometimento. “Vou autuar combatendo a discriminação e violência contra a mulher, lutarei pela igualdade de direitos, iremos com a procuradoria acompanhar e fiscalizar junto com as demais autoridades competentes todos os casos do Paraná”.

Afirma a procuradora, que as vítimas de qualquer tipo de agressão, terão na procuradoria o acolhimento. “Muitas das vezes as mulheres não tem a quem recorrer nos municípios, não existe uma política pública voltada para elas, elas mesmas confeccionam o boletim de ocorrência, procuram a polícia, mas mesmo assim na maioria das vezes não progridem. A procuradoria será esse amparo, uma instância superior que terá o poder de acolher, encaminhar a toda rede de proteção e fiscalizar as autoridades competentes”.

A Procuradora do Estado, Cristina Silvestri, pede a todos os setores das mídias, local, regional e nacional, que deem a mesma importância ao projeto de lei e suas ações que acontecerão em primeiro momento no dia (22), data de Combate ao Feminicídio, quanto se dá, quando acontece o crime. “Queremos mostrar para o Paraná todo, para o Brasil, que é a hora do basta, não da mais para aguentar, nós temos que quebrar essa invisibilidade da violência”.
 

Topo