Municípios do Sudoeste eliminam sífilis e estão aptos a certificação

Um terço das cidades paranaenses conseguiram eliminar a sífilis congênita e estão aptos a receber uma certificação pela conquista. O comunicado foi feito pela Divisão de Infecções Sexualmente Transmissíveis da Secretaria de Estado da Saúde durante evento que marca do Dia Nacional de Combate à Sífilis, celebrado no terceiro sábado do mês de outubro.

Até o momento, os municípios do Sudoeste que conquistaram condições para certificação de eliminação da sífilis congênita são; Vitorino e Sulina pertencentes a microrregião de Pato Branco. Boa Esperança do Iguaçu, Manfrinópolis, Pinhal de São Bento, Salgado Filho e São Jorge d´Oeste pertencentes a microrregião de Francisco Beltrão, e Bela Vista da Caroba pertencente a microrregião de Capanema.

A certificação da Sífilis Congênita no Paraná adota como requisito para os municípios a taxa de incidência de 1,5 caso a cada mil nascidos vivos nos últimos três anos; a proporção menor que 20% das crianças menores de 1 ano com sífilis congênita nos últimos 3 anos e a proporção de 80% das gestantes com tratamento adequado para sífilis nos 2 últimos anos, entre outros.

A sífilis congênita é transmitida pela mãe ao bebê durante a gestação, via placentária. Em 2019, a taxa de detecção de sífilis adquirida por 100 mil habitantes no Paraná foi de 92,13%. De sífilis em gestante foi de17,1%; e de sífilis congênita de 5,8%. Neste ano, até o momento, a taxa para sífilis adquirida por 100 mil habitantes é de 20,72%, de sífilis em gestante é de 6,7%; e de sífilis congênita 2,6%. 

Topo