Pensamento de São João Paulo II poderá ser ensinado nas universidades

Segundo o Cardeal Stanislaw Dziwisz, a necessidade de se transmitir os ensinamentos de São João Paulo II “às novas gerações está se tornando cada vez mais evidente”.

Uma campanha internacional promovida pelos docentes da Universidade Católica João Paulo II de Lublin (Polônia) propõem que os ensinamentos de Karol Wojtyla sejam ensinados e aprofundados nas universidades.

Transmitir os ensinamentos de São João Paulo II

A campanha recebeu o apoio do Arcebispo de Cracóvia e ex-secretário pessoal de São João Paulo II, Cardeal Stanislaw Dziwisz, que, através de um comunicado, ressaltou que a necessidade de se transmitir os ensinamentos de São João Paulo II “às novas gerações está se tornando cada vez mais evidente”.

O purpurado recordou que Karol Wojtyla também foi professor universitário e que “em suas palestras sobre ética e filosofia, testemunhou que Fé e ciência não devem ser excluídas, mas coexistir e se complementar”.

Segundo o Cardeal polonês, São João Paulo II sempre foi próximo do mundo da ciência e além de transmitir conhecimentos, “também introduziu os jovens no mundo dos valores cristãos sobre os quais se constrói a civilização europeia”.

Congresso de Cultura Cristã em Lublin

Apresentada durante o Congresso de Cultura Cristã em Lublin nesta sexta-feira, 16 de outubro, a campanha foi criada pelo reitor da Universidade Católica João Paulo II de Lublin, Padre Miroslaw Kalinowski.

O sacerdote justificou a campanha afirmando que “no mundo de hoje, onde observamos a homogeneização da cultura, a reavaliação das atitudes sociais e a diversidade de opiniões, o papel das universidades e faculdades é buscar certas referências e valores superiores capazes de cimentar nossas sociedades”.

Inspiração aos jovens na luta pela verdade e pela liberdade

Diante do desenvolvimento tecnológico e das “possibilidades cada vez mais ilimitadas da comunicação virtual”, os ensinamentos de Karol Wojtyla e sua “atitude perante a vida podem inspirar os jovens a lutar pela verdade e pela liberdade interior”, destacou.

“Utilizemos esse potencial em nossos ambientes acadêmicos. Que o ensinamento de São João Paulo II seja um incentivo para que os alunos respondam aos desafios e se desenvolvam!”, concluiu. (EPC)

Topo