logo

A SEGUIR

"Oração da Manhã"

06:00:00 - 06:05:00

"Amanhecer no Sertão"

06:05:00 - 06:50:00

Entrevista: casal Luiz e Davina compartilham histórias de vida.

Na segunda-feira (16), a equipe de reportagem da rádio Vicente Pallotti esteve na comunidade do Flor da Serra, onde o repórter Ademir Hanzen conversou com Luiz Santos da Silva e Davina Rodrigues da Silva, casados a 39 anos, e em entrevista compartilharam suas experiências de vida.

Luiz é natural de Palmas e sua família veio para Coronel Vivida quando ele tinha quatro anos, em 1946, na época o município era conhecido como Barro Preto. Ele lembra que seu pai saiu de Caxias do Sul com destino a Santa Catarina, de onde seguiu para Palmas e mais tarde comprou uma propriedade aqui em Coronel Vivida.

“Saímos de Palmas com a mudança na carroça e os cargueiros de viagens, aqui não tinha estrada até a propriedade, só carreiro pelo meio do mato, chegamos e começamos a trabalhar para pagar a terra em sete, oito anos. O trabalho na época era todo braçal, arado puxado por boi ou cavalo, a limpeza na lavoura era feita com enxada”. Lembra Luiz.

Dona Davina é natural de Coronel Vivida, foi professora e lembra com alegria da época. Ela lembra que seu pai ajudou na construção da Igreja Matriz, depois ajudavam na organização das festas e mais tarde fundaram a comunidade do Flor da Serra.

Seu Luiz lembra com saudade do tempo em que trabalhavam em comunidade, faziam os chamados “puxirão”, reuniam todos os vizinhos para ajudar quem precisava. “Não tinha esse negócio de tanta ambição, ficar querendo mais e mais. Tiravam tempo para visitar os amigos, os doentes, era tudo em união, coisa bonita”.

Há 33 anos o casal faz uso de uma charrete, com o veículo de tração animal eles deslocam para a cidade onde fazem as compras no comércio local. “Usamos pra tudo, no rancho do mercado, pra alimento para os animais, puxar lenha, pasto, na cidade vamos umas três vezes por semana”, comentam.

Davina diz que as crianças aguardam com ansiedade a passagem do Tio da Charrete, como é chamado carinhosamente pelas crianças o seu Luiz. “As crianças ficam esperando pra dar uma volta, ficam encantadas com o carro diferente. O Luiz já foi às escolas na época de festa junina pra levar as crianças”.

Seu Luiz e dona Davina encerram a entrevista falando a juventude, para que tenham mais tempo, que participem mais da vida em comunidade e que tomem cuidado com as festas, às coisas erradas. “Acreditem em Deus, se valorizem e deem valor as pessoas, por que não somos nada sem os amigos, amigos de verdade, não os que se fazem e vão pro caminho errado”.

 

Ouça a entrevista:

 

Topo